Óleo de Coco – Mocinho ou Vilão?

Salve, moçada do fogo nas panelas.

Tô de volta e, como não me aguento, lá vou eu meter a mão em vespeiro…rsrsrs

Muito bem, hoje, dia 04/04, sei lá eu porque, veio um monte de gente pedir a minha opinião sobre óleo de coco, perguntando qual era a minha gordura preferida e blá, blá, blá…

Certamente rolou alguma matéria falando mal do tal óleo de coco, que é a menina dos olhos do momento da galera da “vida saudável”. É sempre assim: hoje faz bem e amanhã faz mal; hoje é mocinho, amanhã é vilão. Esse é o dilema eterno do ovo, da manteiga, do bacon, do amendoim e agora, ao que parece, do óleo de coco.

Gente, pra falarmos que uma gordura pra cocção é ou não é a ideal, precisamos saber o que queremos; saber o nosso objetivo ao escolher gordura x ou y.

Algumas perguntas indispensáveis pra definirmos o nosso objetivo são:

Caso 1 – Você sofre de algum problema de saúde que te obrigue a uma dieta restritiva qualquer? Você realmente tem esse problema ou só acha que tem?

Caso 2 – Você escolheu uma dieta restritiva por motivos filosóficos ou religiosos ou algo do tipo? Você realmente tem essa escolha como foco?

Note que, em ambos os casos, se as respostas não forem todas afirmativas, você não precisa ser um purista na escolha dos ingredientes. Tudo em excesso faz mal, até o excesso de restrições desnecessárias.

Quem já fez o Me Salve, tá careca de saber que a sequência dos óleos vegetais mais comuns para fritura (do menos saudável pro mais saudável, no que diz respeito a gorduras saturadas) é: azeite, óleo de soja, óleo de milho, óleo de girassol e óleo de canola. Cadê o óleo de coco? Bingo…óleo de coco não é um óleo para frituras. Apesar de atingir altas temperaturas e não saturar muito, ele tem uma densidade diferente dos outros óleos vegetais…isso também vale pros óleos de oleaginosas. Esses são óleos para serem utilizados em baixa temperatura no fogo. Você nunca terá o mesmo resultado usando óleos de densidades diferentes. Esses óleos específicos podem sim atingir altas temperaturas em forno, mas não em fogão. Desta forma as suas qualidades são preservadas. Porém você nunca vai fritar (no mais puro sentido da palavra) nada com eles. Cada óleo tem um tipo de utilização mais ou menos recomendado, e as consequências estão ligadas a isso. Toda escolha tem uma consequência, e isso também é regra na cozinha.

Agora vamos ao que eu acho e utilizo na minha vida… eu vario. Penso no objetivo que tenho pro prato e adequo o óleo ou gordura ideal (vou deixar as gorduras animais pro próximo post, por que ali sim o bicho vi pegar rsrs) pra chegar no meu objetivo. Se quero fritura, crocância, utilizo um óleo com menor densidade e que aguente bastante calor sem alterar demais a sua composição…por alguns motivos, geralmente escolho o óleo de girassol. Se posso trabalhar em baixa temperatura e quero manter o sabor do alimento mais íntegro, geralmente escolho o azeite. Se vou fazer algo em baixa temperatura que tenha coco como ingrediente, uso óleo de coco e assim vai.

Se você não precisa realmente restringir, não o faça…varie. Varie de acordo com a necessidade e com o seu gosto. Mais do que elencar uma lista de mocinhos e vilões na cozinha, priorize a qualidade do ingrediente que você utiliza e principalmente priorize o que te dá mais prazer…com ou sem moderação.

 

Leo Oliveira

COMENTÁRIOS